Os dez mais que tocaram o meu coração…

julho 17, 2007 at 1:46 pm (Diário de Leituras)

 

 

 livros.jpg

 

 

Bem, neste Diario de Leituras também utilizarei para indicar  aqueles   livros que  marcaram a minha vida nestes últimos tempos. Aqui estão os dez mais. São ficções altamente recomedadas. Pérolas narrativas que eu levarei em minha memória até o resto da vida.

 

Aqui estão eles em ordem de paixão:

 

1.Crime e Castigo (Fiódor Dostoievski).

2.Ensaio Sobre a Cegueira (José Saramago).

3.A Metamorfose (Franz Kafka).

4. Cem Anos de Solidão (Garcia Márquez).

5.Notas do Subterrâneo (Fiódor Dostoievski).

6.O Velho e o Mar (Ernest Hemingway).

7.Grande Sertão: Veredas (Guimarães Rosa).

8.Admirável Mundo Novo (Aldous Huxley).

9.Lavoura Arcaica (Raduan Nassar).

10.A Paixão Segundo G.H (Clarice Lispector).

Anúncios

Link permanente Deixe um comentário

Flashs Momentâneos de desejos…

julho 10, 2007 at 5:05 pm (Diário de Leituras)

Bem… Este espaço eu criei para comentar as minhas mais recentes leituras. No momento estou lendo dois romances e uma coletânea de ensaios sobre cinema. O primeiro romance chama-se A Insustentável Leveza do Ser, livro que virou filme em 2001, e obra máxima do escritor tcheco Milan Kundera. O segundo romance chama-se Água Viva, da inigualável Clarice Lispector, considerada um dos maiores nomes da Literatura Brasileira do século XX. Quanto à coletânea de ensaios ela se chama: Cinema: Trajetória no subdesenvolvimento, do crítico e fundador do pensamento cinematográfico Brasileiro Paulo Emílio Salles Gomes. 

Primeiramente falarei um pouco sobre os romances. No texto A Insustentável Leveza do Ser o que mais chama atenção é o aglomerado de sentidos existenciais que a narrativa produz para a quem o lê. Nela, agrupam-se sentimentalidades dos personagens com criticas a realidade social e política da Tchescolovaquia durante a década de 1960 (período da Invasão Russa), ambiente da narrativa, como também da escrita do próprio texto. Tudo é inconstante, os fatos, as ações dos personagens, as emoções políticas do autor que transparecem por todo o livro. Um texto fragmentário que nos parece uma espécie de ensaio existencial, por isso a considero um grande Romance analítico, bem escrito e emocional do inicio ao fim. Documento histórico e filosófico do século XX.

 Água Viva me arrematou desde inicio, pela incrível dissecação das palavras e principalmente pela fragmentação desenfreada da narrativa. Clarice libera neste texto de forma radical tudo que sente. Tudo é vida, pulsante e descontinua; cada metáfora, analogia, cada sentido e expressão que nos revela e nos pune. Obra sui generis. Magnífica. Clarice é a minha mais nova paixão literária. Estou banhada por sua água viva e por sua placenta de sentidos… 

Já a coletânea de Ensaios nos traz um panorama histórico e crítico do cinema Brasileiro de 1896, data da iniciação da pratica cinematográfica aqui no Brasil ate o auge do chamado movimento Cinema Novo no ano de 1966. Os textos são muito bem escritos e revelam o quanto era original e penetrante o pensamento de Paulo Emílio Salles Gomes.

Link permanente 1 Comentário